Sites Grátis no Comunidades.net Wordpress, Prestashop, Joomla e Drupal Grátis
Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese






Partilhe este Site...

  

 

 

 

 

 

 


GRIPPEN NG
GRIPPEN NG

BRASIL ASSINA ACORDOS DE COOPERAÇÃO E DÁ

PROSSEGUIMENTO À COMPRA DOS CAÇAS SUECOS

Estocolmo, 03/04/2014 – O Brasil deu hoje um importante passo para a concretização do processo de compra dos 36 caças Gripen NG para sua Força Aérea. O país assinou dois acordos considerados indispensáveis para o prosseguimento das negociações com a Suécia, nação que produz os aviões.

Necessários para garantir o amparo jurídico inicial da aquisição, os acordos também estabelecem parâmetros para as tratativas em curso sobre os contratos que serão firmados entre as partes, empresarial e governamental, envolvidas no negócio.


O primeiro, denominado acordo-quadro de cooperação em defesa, também permitirá que, além da parceria relativa aos caças, os dois países possam iniciar conversas acerca de outros projetos de interesse comum na área militar. O segundo trata da proteção de informações sigilosas entre as duas nações e cobre não somente o processo de aquisição dos caças, mas todas as iniciativas que vierem a ser desenvolvidas entre os países signatários.

Os dois acordos foram assinados na manhã de hoje pelos ministros da Defesa, Celso Amorim, e do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI), José Elito Siqueira, em cerimônia no castelo de Karlberg, sede da Academia Militar Sueca, na capital do país. 

A assinatura dos documentos foi precedida por uma reunião bilateral entre Amorim e sua contraparte sueca, a ministra  Karim Enström. “Estamos dando um grande e importante passo em nossas relações”, disse o ministro brasileiro durante o encontro. “Temos agora a tarefa de transformar a proposta em contrato”, acrescentou.

Durante cerca de uma hora, Celso Amorim e Enström conversaram sobre o aprofundamento da parceria estratégica entre Brasil e Suécia no campo da defesa, e sobre a extensão dos projetos de interesse comum na área, incluindo a possibilidade de desenvolvimento industrial conjunto de armamentos, equipamentos aeronáuticos e soluções para fortalecimento da defesa cibernética.

Amorim reiterou à ministra sueca as condicionantes fixadas pelo Brasil para aquisição dos caças, sendo a principal delas a necessidade de irrestrita transferência tecnológica, com acesso a códigos-fonte da aeronave. Esse acesso permitirá, entre outros aspectos, que o país possa integrar, de forma independente, novos sistemas, equipamentos e funcionalidades ao avião.

Outro aspecto mencionado no encontro foi o direito de comercialização, pelo Brasil, dos Gripen NG que serão produzidos no país. Amorim ressaltou o entendimento de que esses direitos deverão abranger os países da América Latina, além das nações em desenvolvimento com as quais o Brasil possui estreita relação bilateral.

No atual estágio das negociações, prevalece a compreensão de que está mantido o compromisso inicial da oferta sueca de que a indústria brasileira deverá assumir, ao longo dos próximos anos, cerca de 80% do projeto e da produção das aeronaves destinadas ao mercado mundial.

Durante a reunião, o comandante da Força Aérea Brasileira (FAB), brigadeiro Juniti Saito, que também integrou a comitiva brasileira, observou à ministra Karim Enström que o parque industrial brasileiro está capacitado para absorver a tecnologia a ser repassada pela Suécia no projeto. “Posso garantir que estamos preparados e que vamos honrar todos os compromissos sobre confidencialidade de informações”, afirmou Saito.

Em comunicado conjunto divulgado após o encontro (Leia aqui a íntegra do documento na versão original em inglês), os ministros informaram a decisão de estabelecer parceria estratégica no setor de aeronáutica militar. Dentre outros temas, essa parceria deverá definir os termos da cooperação entre as forças aéreas dos dois países, incluindo o detalhamento do empréstimo que a Suécia fará ao Brasil de dez Gripens modelo C/D. Esses aviões deverão ser utilizados pela FAB, a partir de 2016, até a chegada dos primeiros caças NG, em 2018. (Veja aqui release sobre o assunto).

Enströn e Amorim também anunciaram que irão aprofundar o diálogo político em assuntos de defesa, assim como em outros temas de interesse mútuo. Para facilitar as tratativas relativas ao setor, será criada uma adidância militar brasileira em Estolcomo (a Suécia já possui adido militar em Brasília). Os ministros também discutiram a possibilidade de realização, no início de agosto desse ano, no Brasil, da primeira reunião do grupo de trabalho conjunto em cooperação militar. 

Os acordos assinados hoje serão encaminhados para aprovação do Congresso Nacional brasileiro. As duas nações já possuem outros convênios específicos na área de defesa, firmados em 1997 e em 2000. Amorim afirmou que o governo se empenhará na aprovação dos pactos firmados hoje, mas observou, com a concordância da ministra sueca, que os acordos anteriores já oferecem uma base sólida para prosseguimento da parceria estratégica no setor aeronáutico.

Durante os dois dias em que esteve em Estolcomo, além da reunião com Karim Enström, Amorim foi recebido pela rainha Sílvia da Suécia e pelo ministro das relações exteriores do país, Carl Bildt. Ele convidou a ministra da Defesa a visitar novamente o Brasil no segundo semestre deste ano para dar continuidade aos trâmites sobre os caças, e outros assuntos relativos à cooperação em defesa.

Na parte da tarde, Celso Amorim proferiu uma palestra sobre a política brasileira de defesa a estudantes e convidados, no auditório do Colégio de Defesa Nacional e Instituto Sueco de Relações Internacionais.  

A decisão sobre a escolha dos caças Gripen NG, fabricados pelo empresa sueca Saab para equipar a FAB, foi tomada em dezembro do ano passado pela presidenta Dilma Rousseff. O processo de aquisição das aeronaves tem acompanhamento de um grupo interministerial criado no âmbito do Ministério da Defesa. Denominado F-X2, o programa prevê o desenvolvimento e incorporação à Aeronáutica de 36 aviões.

Foto: Jorge Cardoso
Assessoria de Comunicação Social (Ascom)
Ministério da Defesa
61 3312-4070

 

A Saab tem o prazer de oferecer o Gripen NG ao Brasil. O Gripen NG é realmente um caça multiemprego, com alcance operacional, capacidade de carga e recurso de Guerra Centrada em Rede (NCW) atendendo a todos os empregos definidos.  A capacidade NCW do Brasil será significativamente aprimorada, operando-se o Gripen NG em combinação com o sistema E-99 ERIEYE da Embraer.

  

Características

Caça Centrado em Rede

O Gripen NG é realmente um caça Centrado em Rede. Incorpora os sistemas de links de dados multifrequenciais mais desenvolvidos e seguros do mundo, conferindo ao piloto uma completa noção da situação ao seu redor, em todos os modos de operação.

Superior Fusão de Dados

Tem um sistema de missão com aviônicos perfeitamente integrados, resultando em uma fusão total dos dados de seus sensores e, em decorrência, em uma capacidade de combate excepcional, garantindo o lançamento extremamente preciso de armas inteligentes.

Carlinga Digital Inteligente

Apresenta um avançado layout 100% digital, com grandes e coloridos displays MFD (Multi-Functional Displays), controles HOTAS (Hands-On-Throttle-And-Stick) e capacete com visor acoplado HMD (Helmet Mounted Display).

Alcance e Raio de Ação

Graças a seus maiores tanques de combustível, o Gripen NG, na configuração de Patrulha Aérea de Combate, alcança um raio de combate de 700 nm (milhas náuticas), ou seja, 1.300 km, a partir da base de operações, com mais de 30 minutos “na estação”.  Tem um alcance de traslado de 2.200 nm (4.000 km).

Enxergue Primeiro – Acerte Primeiro

Uma garantia da alta probabilidade de vitória em qualquer engajamento é a combinação de baixas assinaturas no espectro visual, radar e infravermelho, com uma carlinga digital inteligente, o mais avançado radar AESA, o sensor de busca e rastreamento no infravermelho IRST (Infra Red Search & Track) e uma superior fusão de sensores, incluindo a melhor integração de armas de última geração e o conjunto de guerra eletrônico.

Agilidade Excepcional

O Gripen NG é o caça mais ágil do mundo em combate de perto. Combina um avançado layout aerodinâmico e uma configuração canard-delta com um sistema triplex de controle de voo fly-by-wire digital.

Alta Disponibilidade Operacional

Exigências mínimas de suporte logístico conferem um alto nível de disponibilidade operacional.

 

Confiabilidade

120 mil horas de voo acumuladas, em total segurança, nas Forças Aéreas da Suécia, República Tcheca, Hungria e África do Sul, assim como na Escola de Pilotos de Teste do Reino Unido (ETPS).

Custo de Ciclo de Vida

O Gripen NG apresenta os menores custos operacionais e de logística entre todos os caças atualmente em serviço.

Desenvolvimento Futuro

O Gripen foi desenvolvido para se adaptar à evolução das ameaças e exigências operacionais, enfrentadas pelas modernas Forças Aéreas.

Biposto

A versão biposto retém toda a capacidade operacional da versão monoposto. O Programa do Gripen NG conta com o apoio total do governo sueco.

Sistema de propulsão

Incorporando a mais avançada tecnologia, o motor General Electric F414G do Gripen NG é um turbojato modular, com pós-combustão, apresentando uma baixa razão de diluição e eficiência no consumo de combustível. Com uma taxa de empuxo superior a 22 mil lb (98 kN), o F414G gera 20% mais empuxo que o atual Volvo Aero RM12 do Gripen, viabilizando velocidade de super-cruise equivalente a Mach 1.1, com armas ar-ar.

General Electric F414G

 

Radar

Integrando o único radar AESA de 2a geração do mundo, o ES 05 Raven, o Gripen NG garante sua vantagem em termos de noção situacional.  O radar ES 05 Raven, desenvolvido pela Selex-Galileo com a Saab e a indústria brasileira, é o único radar de combate do mercado munido de uma placa oscilante (swash plate) móvel, permitindo cobrir ângulos de até ±100°. O novo radar traz melhorias em todos os aspectos quando comparado com os radares existentes, a exemplo de:

  • melhor rastreamento de alvo
  • amplo campo visual
  • flexibilidade de modos
  • maior alcance de detecção
  • melhores dados eletrônicos de suporte
  • maior disponibilidade operacional e menores custos de ciclo de vida.

ES 05 Raven

 

CARACTERÍSTICAS

O

 

GRIPPEN PARA O BRASIL

Gripen oferece ao Brasil uma solução completa. O Gripen NG é a aeronave de combate multiemprego mais avançada tecnologicamente do mundo, incorporando tecnologias e capacidade de guerra centrada em rede (NCW), especialmente desenvolvidas para o Brasil.

Por que o Brasil escolheu o Gripen?

  • O Gripen NG é a aeronave de combate multiemprego mais avançada tecnologicamente do mundo, incorporando tecnologias e capacidade de guerra centrada em rede (NCW), especialmente desenvolvidas para o Brasil.
  • O Gripen vai satisfazer e exceder todas as exigências operacionais impostas pela Força Aérea Brasileira, em todas as suas missões – Combate Ar Ar, dentro ou além do alcance visual (BVR/WVR), Combate Ar Superfície tanto terra como mar, além de reconhecimento.
  • O Gripen vai oferecer uma excepcional capacidade autônoma para multiemprego e multimissão, em operações FOB normais e hostis, além de atuar como um perfeito multiplicador de força.
  • Durante toda a sua vida útil, o Gripen apresentará um Custo de Ciclo de Vida muito menor que o seu concorrente mais próximo também monomotor, além de operar a um custo que é apenas uma fração do custo de seus concorrentes bimotores.
  • O Gripen NG é a única opção que o Brasil tem para adquirir capacidade militar e técnica de última geração.
  • O Gripen NG dará ao Brasil a possibilidade de se tornar um parceiro importante em um programa de desenvolvimento e de se tornar uma plataforma para futuros programas tecnológicos.
  • Em combinação com o programa de Cooperação Industrial, o programa do Gripen para a FAB, a Defesa do Brasil e seu parque industrial tornará o país completamente independente, até 2020, da necessidade de comprar uma aeronave de combate de outros países, transformando-se ainda em um país exportador de aviões, a exemplo da Suécia.

Capacidade operacional

Como caça multiemprego de última geração, o Gripen NG incorpora o alcance operacional, a capacidade de carga útil e o recurso de guerra centrada em rede (NCW) para desempenhar todas as missões designadas pela Força Aérea Brasileira, tanto em operações militares nacionais como regionais. O recurso NCW do Brasil será significativamente aprimorado, operando-se o Gripen NG em combinação com o sistema Embraer E-99 ERIEYE.

Gripen Demo

 Foto: Katsuhiko Tokunaga

Avançado Sistema de Armamentos

O Gripen NG integra um conjunto completo de sensores, com total flexibilidade de integração de armas, podendo ser equipado com armas adquiridas de outros fornecedores no mundo. A capacidade de sobrevivência é garantida pelo equilíbrio existente entre as baixas assinaturas no espectro visível, infravermelho e radar, assim como por um avançadíssimo sistema modular de Guerra Eletrônica e de Autoproteção.

Solução de suporte

O conceito de logística é desenvolvido para atender às exigências da Força Aérea Brasileira e maximiza a utilização da infraestrutura que o Brasil já tem. O programa de treinamento usa a infraestrutura existente, em combinação com acessórios de treinamento e o sistema Gripen, a fim de maximizar os benefícios de treinamento.

Melhoria Contínua

O Gripen NG é uma versão consideravelmente aprimorada do já comprovado caça multiemprego Gripen C/D, atualmente em serviço. Concebido para combater no ambiente de Guerra Centrada em Rede (NCW) do Século XXI, o projeto flexível e modular do Gripen faz com que o aprimoramento e o desenvolvimento contínuo apresentem tanto baixo risco como custo-benefício. O programa do Gripen NG cobre o desenvolvimento de todos os principais sensores e aviônicos, inclusive a comunicação de dados, os sistemas de autoproteção, a integração de armas, bem como os aprimoramentos da estrutura do avião e da propulsão.

Crescimento Contínuo

O Gripen NG é uma plataforma de “baixo risco”, acompanhada de um programa já custeado de desenvolvimento contínuo e melhorias garantidas.  O Gripen NG tem uma grande capacidade de crescimento, o que é uma garantia de que atenderá a todas as demandas futuras.

 

GRIPPEN E O BRASIL UMA COMBINAÇÃO PERFEITA

Se selecionado, o mais avançado caça multiemprego do mundo seria feito no Brasil. Uma grande parte de todo o trabalho de desenvolvimento do Gripen ficaria a cargo da indústria brasileira. A tecnologia do Gripen produzida no Brasil não seria produzida em nenhum outro lugar do mundo, o que significa que os sistemas do Gripen feitos no País seriam incorporados em todos os novos caças Gripen fabricados.

Parceria

A COMAER e a indústria brasileira se tornariam parceiras da Força Aérea Sueca e da Saab, nas atividades de projeto, desenvolvimento e integração de futuros programas tecnológicos do Gripen NG.

O envolvimento precoce do Brasil no projeto e desenvolvimento do Gripen NG daria à indústria e à Força Aérea Brasileira acesso sem precedentes a todos os níveis de tecnologia, tanto hoje como no futuro.

Contrapartida econômica (offset)

A proposta oferece uma compensação econômica e financeira equivalente ao valor do contrato. O programa de compensação ou contrapartida transferirá know-how e tecnologias avançadas e exclusivas às correspondentes partes institucionais e industriais do Brasil, com o objetivo de desenvolver capacitação no País.

Produção e Manutenção

O compromisso assumido com o setor aeroespacial brasileiro inclui a opção de fabricar peças e conjuntos do Gripen NG, bem como a montagem final da aeronave no Brasil.

O conceito de manutenção foi desenvolvido de modo a atender às exigências e à capacidade da indústria brasileira e da FAB, por meio de:

  • Estabelecimento de um centro de manutenção do Gripen NG no Brasil para garantir autonomia nacional
  • Uso extensivo da infraestrutura brasileira existente, garantindo reduções de custos e comunalidade

Transferência de Tecnologia

O programa de Transferência de Tecnologia (ToT) garante 100% de envolvimento em desenvolvimentos futuros e maximiza a autonomia industrial do País, através da transferência de competências altamente avançadas e diferenciadas.

O programa ToT incluirá:

  • Projeto, desenvolvimento eintegração de hardware, aviônicos, software e sistemas no Gripen NG 
  • Transferência de Avançadas Tecnologias e competências high-tech fundamentais, a exemplo de Fusão de Sensores, Baixa Observabilidade (LO) e Furtividade (Stealth).

A Saab garante acesso sem precedentes a todos os níveis de tecnologia, inclusive pleno acesso aos códigos-fontes do Gripen NG.

Gripen em produção

 

 

Conheça o Gripen numa reportagem detalhada, o novo caça comprado pelo Brasil, um Computador voador que logo estará nos céus de Anápolis e do Brasil.

 

Conheça o Gripen numa reportagem detalhada, o novo caça comprado pelo Brasil, um Computador voador que logo estará nos céus de Anápolis e do Brasil.

O autor desta reportagem é Muni Perez, ex-piloto da Força Aérea Brasileira (FAB) e sabe muito bem do que está falando!

Na quarta-feira (18), o governo anunciou o avião de caça vencedor da concorrência internacional para selecionar uma nova aeronave de combate para nossa Força Aérea. Para a surpresa de alguns, o vencedor foi o sueco Saab JAS 39 Gripen, ou somente Gripen.

Como a notícia está dando o que falar pela Internet, o Canaltech resolveu destrinchar a tecnologia dessa aeronave, que é a espinha dorsal da Força Aérea da Suécia e, apesar do seu pequeno tamanho e simplicidade, é uma arma altamente tecnológica, versátil e letal.

Primeiro falaremos um pouco da história da aeronave, bem como o motivo dela ter sido desenvolvida.

1 – O programa Gripen

A Suécia, no contexto da guerra fria, sempre temeu uma invasão pela União Soviética, e por isso sempre desenvolveu domesticamente suas armas (aviões, tanques, submarinos e navios). Antes do Gripen, ela possuía duas aeronaves principais, o Saab 35 Drakken e o Saab 37 Viggen (aviões com aparência bem estranha, diga-se de passagem), que já estavam ficando velhos.

Saab Draken

Drakken

Saab Viggen

Viggen

Então o governo sueco começou a procurar um substituto para os dois modelos, e que pudesse ser um caça “multifuncional”, o que significa que ele deveria ser capaz de realizar diversos tipos de missão em um único voo: ataque ao solo, ataque ar-ar (outros aviões), ataque marítimo e reconhecimento.

Além de ser de emprego múltiplo, o novo caça deveria ser pequeno e capaz de operar em condições adversas. Bases de caças normalmente são enormes, com pistas extensas e uma grande infra-estrutura de apoio. Mas, no caso de uma vizinha gigante como a União Soviética, nenhuma base sobreviveria à fúria vermelha, então o avião deveria ser capaz de se virar a partir de rodovias, pistas improvisadas e com estrutura ínfima de apoio.

Desse requerimento surgiu o Saab 39 Gripen, que tem apenas 14 metros de comprimento e que pode operar de pistas pequenas (trechos de rodovia) de apenas 800 metros, mesmo que cobertas de neve, e precisa de apenas 10 minutos e 6 pessoas para fazerem o reabastecimento, rearmar o avião e deixá-lo pronto para mais uma missão.

Gripen Frontal

O avião foi desenvolvido pela Saab, mas teve participação de muitas outras empresas suecas, como a Eriksson, Volvo e Scania.

O modelo original é “antigo”, tendo seu primeiro voo em 1988 e sendo introduzido na Força Aérea da Suécia em 1997. Mas esse não é o modelo que o Brasil comprou. O nosso chama-se Gripen NG, de New Generation, que é uma evolução do Gripen original, e que traz diversas melhorias, tanto estruturais quanto tecnológicas.

2 – Tecnologia de aviônicos e comunicação

O Gripen possui o que há de mais avançado no mundo da tecnologia militar (que por natureza é gerações mais avançada que a tecnologia para uso civil).

Fly-By-Wire

Um avião é controlado com a ajuda de partes móveis nas asas e no profundor (aquelas asas pequenas que ficam na parte de trás do avião), além do leme (a “cauda” onde fica o logo das companhias aéreas). Quando você viajar de avião e sentar perto da janela, tente observar uns pequenos pedaços se mexendo na parte mais externa da asa. Isso que faz o avião inclinar-se para os lados.

O tradicional é essas partes serem controladas mecanicamente, através de cabos e sistemas hidráulicos. Mas em sistemas Fly-By-Wire, tudo é controlado pelo computador. Quando o piloto dá o comando para a aeronave virar, essa informação passa para um computador, que analisa se o avião conseguirá fazer esse movimento com segurança, sem danificar sua estrutura, pra então passar o comando para as superfícies de controle.

Outra vantagem é que o fly-by-wire elimina a estrutura física, reduzindo o peso e diminuindo as chances de falhas.

HUD, HMDS, telas multifuncionais e HOTAS

A cabine do Gripen foi desenvolvida para proporcionar ao piloto uma consciência situacional, que quer dizer que ele deve saber de tudo o que está acontecendo de uma maneira simples e rápida.

A aeronave contém diversos sensores e radar, e todas as informações são coletadas e agrupadas em três telas enormes de LCD (as telas multifuncionais), que mostram dados sobre:

  • a aeronave: combustível, sistemas etc;
  • dados do vôo: velocidade, altitude, direção, posicionamento em relação ao horizonte etc;
  • dados da missão e radar: GPS, mapas do terreno, aeronaves inimigas, rotas, alvos

Gripen Cockpit

Telas multifuncionais

Além das telas, possui um HUD – Heads Up Display, que é um sistema que mostra um resumo das informações de voo na parte de cima do cockpit, para que o piloto se concentre em voar a aeronave nas partes mais críticas do voo, sem precisar olhar para baixo para ver os instrumentos.

HUD

HUD

Além do HUD, possui um sistema chamado HMDS – Helmet Mounted Display System, que é um mostrador de informações no próprio capacete (Google Glass?). Além dos dados do HUD, ele aponta os alvos no terreno, pode exibir vídeos das câmeras infra-vermelhas, informações do radar, entre outras. Com isso o piloto tem acesso a todos os dados de voo e da missão mesmo quando está olhando para fora da cabine (procurando um inimigo ou alvo por exemplo).

HMDS

Outro recurso importante do avião é o HOTAS – Hands on Throtle and Stick, que é um conceito operacional de que o piloto não precisa tirar as mãos do manche (joystick) e nem do acelerador – em aviação chama-se “motor” (throtle), que é uma alavanca e não um pedal. Com isso, o piloto pode realizar quase todas as ações relacionadas a mexer nos computadores de bordo sem precisar tirar as mãos dos comandos.

Radares e sensores

O Gripen atual possui um radar chamado PS-05/A, de pulso doppler e que opera na banda X de frequências. O PS-05/A é capaz de detectar um alvo a 120 km de distância, e pode automaticamente rastrear múltiplos alvos tanto acima quanto abaixo do avião, no mar, na terra e no ar, e pode guiar diversos mísseis ar-ar (para atacar outros aviões) além do alcance visual do piloto simultaneamente.

Isso é o radar do Gripen atual, ou “velho” Gripen. O do novo, Gripen NG, que será o nosso, virá com um radar ainda mais potente, que utiliza a técnica de escaneamento eletrônico ativo, que aumentará significativamente o alcance de detecção do mesmo e o campo de “visão” do radar.

Computadores e comunicações

Agora vamos ao que interessa. Você talvez não saiba, mas o que faz um avião ser bom hoje em dia é principalmente sua tecnologia, com seus sistemas de computadores e a capacidade de integração entre diversos tipos de armamentos (mísseis, bombas) e o sistema operacional do avião (isso mesmo, sistema operacional).

O código-fonte do Gripen é aberto para os operadores, e isso é excelente pois o principal fator que faz um míssil x ser compatível com aeronave y é o software. Então se o país não possuir o código-fonte da aeronave, só poderá comprar mísseis que já sejam compatíveis com a plataforma.

É o que acontece, por exemplo, com os Estados Unidos e a tal da transferência de tecnologia (esse é um dos principais itens da transferência). Eles jamais ofereceriam para nós o código-fonte completo do F/A-18 Super Hornet, e caso quiséssemos comprar um míssil da Rússia (que são muito bons), não poderíamos, pois não seriamos capazes de integrar os sistemas do avião ao míssil. E mesmo o míssil que o Brasil fabrica, o Piranha, talvez não funcionasse no F-18. Mas tendo em mãos o código-fonte do Gripen, essa integração será rápida, e ficaremos livres para comprar armamentos de onde for melhor.

Ainda, o código dele é feito na linguagem de programação ADA, e é atualizado constantemente para trazer melhorias à aeronave e adaptá-la a novos tipos de missões. Com isso pode-se programar e mudar rapidamente as características do avião (como se fosse um aplicativo), de maneira que ele opere com maior performance na Amazônia (lugar com muita umidade), no Nordeste (ar quente e seco) ou no Sul (frio). Esses, claro, são exemplos básicos e superficiais das mudanças de configuração, é só para dar uma ideia do que se pode ser feito.

Além disso, ele é feito para trabalhar em rede, conectado. O Gripen está constantemente em comunicação com outras aeronaves, estações e unidades em terra e navios, enviando e recebendo dados dos sensores, radar e imagens através do sistema DataLink, e com isso todas as unidades das Forças Armadas ficam com uma consciência situacional elevadíssima (sabem o que está acontecendo e o que deve ser feito).

Sistema de combate integrado

Claro que todos esses dados e as comunicações são criptografadas para evitar que sejam interceptadas pelo inimigo.

Além de ser um avião conectado, todos os seus componentes são monitorados por um computador, tornando a manutenção muito rápida e modular. Cada vez que a aeronave apresenta algum problema, o computador sabe exatamente qual a peça defeituosa, e o mecânico precisa apenas trocá-la, e não abrir o avião inteiro e procurar o problema. Isso reduz significativamente os custos de manutenção, e permite que os aviões fiquem disponíveis para voo por mais tempo.

3 – Armamentos

Gripen Armado

O Gripen é capaz de levar até 6.5 toneladas de armamentos, e inclui uma vasta gama de mísseis e bombas guiadas a laser, além de um canhão convencional.

Para combate aéreo (mísseis ar-ar), ele pode levar até 6 mísseis AIM-9 Sidewinder (americano), ou 4 MBDA MICA (francês) ou 6 IRIS-T (alemão), utilizados para atacar outras aeronaves – e claro, poderá ser programado para utilizar outros mísseis, como o K-77M russo. Para ataques ao solo, pode levar até 4 AGM-65 Maverick (americano) ou o KEPD 350 (sueco/alemão), que fazem um estrago. Para ataques marítimos, pode levar até 2 RBS-15F, que são mísseis anti-navio.

Gripen Armado 2

Além desses mísseis, ainda pode levar 4 bombas guiadas a laser modelo GBU-12 Paveway II (americana), ou duas bombas cluster Bk.90 ou ainda 8 bombas Mark 82 que são menores.

Com isso o Brasil tem um avião pequeno mas ágil, que é recheado com as últimas tecnologias e que poderemos absorver toda ela, além de termos acesso ao código-fonte do avião para melhorá-lo de acordo com as nossas necessidades, e por um custo operacional bem mais baixo que os concorrentes.

E o principal: poderá operar com facilidade de locais não preparados, para defender nossa Amazônia de interesses estrangeiros no caso de uma eventual guerra.

Além disso, boa parte dele (se não a totalidade) será montada aqui no Brasil pela Embraer, e a empresa absorverá muita tecnologia de ponta que poderá ser empregada tanto no desenvolvimento de novos aviões militares como de aviões comerciais. 

SUÉCOS QUEREM AMPLIAR AS DIMENSÕES DO ACORDO DE VENDA DO GRIPPEN NG PARA O BRASIL

O governo sueco está trabalhando em uma estratégia conjunta com a Saab para uma proposta que visa ampliar a dimensão do acordo alcançado com a vendo ao Brasil do seu caça Gripen NG. Tal proposta prevê o Brasil como a base de produção primária para vendas futuras do Gripen NG para a América do Sul e África através de uma joint venture com a Embraer.
O primeiro-ministro da Suécia, Fredrik Reinfeldt pretende convocar uma reunião para discutir a venda do Gripen ao Brasil em janeiro. Já circula informações que a proposta ligaria investimentos industriais de grande porte envolvendo sistemas de tecnologia mais avançada de empresas da Suécia a serem incuidas ao contrato de venda . A proposta deve incluir também empresas fora do setor de defesa.
Mesmo sendo escolhida para fornecer os novos caças da Força Aérea Brasileira, a SAAB e o governo suéco visam ir além do mero fornecimento de 36 caças, o interesse maior é de se estabelecer uma parceria mais sólida para desenvolver novos produtos e tecnologias, além de ganhar um parceiro de peso no mercado exterior, ganhando uma parceira de peso no mercado de defesa, a Embraer.
O governo brasileiro sinalizou ainda que esta aberto a considerar a compra de um adicional de aproximadamente 100 caças Gripen NG se o contrato cumprir o cronograma de entrega e principalmente manter o orçamento definido no Brasil.
O governo sueco já confirmou que parte dos 36 caças já serão manufaturadas no Brasil, sendo estes componentes fabricados em uma nova fábrica da SAAB em São Bernardo do Campo. As aeronaves devem ser produzidas em parceria com a Embraer em Gavião Peixoto, onde já há infraestrutura para testes de aeronaves.
O Brasil possui excelentes relações com seus vizinhos na América do Sul e com outros países em desenvolvimento, além de ter uma bem sucedida projeção de seus produtos de defesa na África, onde recentemente fechou contratos para fornecer aeronaves Super Tucano da Embraer. Isso é algo extremamente atraente para a SAAB que busca adentrar novos mercados com sua nova aeronave o Gripen NG em suas variante monoposto Gripen E e biposto Gripen F.
Os dois governos também estão discutindo uma solução provisória , antes da entrega dos primeiros caças que devem ocorrer no ano de 2018, uma solução como citamos aqui em nosso site ao anunciar a vitória suéca seria o arrendamento de aeronaves Gripen C / D excedentes da Força Aérea Sueca, uma vez que seria uma excelente plataforma de conversão para o novo caça.
O estoque atual de Gripens da Força Aérea Sueca possui cerca de 87 aeronaves Gripen-C e 50 caças Gripen-A que foram fabricados em meados da década de 1990, onde é possível rapidamente atualiza-los e os colocar em operação com o cocar da FAB.
Nós do GBN - GeoPolítica Brasil tivemos a oportunidade de conversar durante as edições da LAAD com representantes da SAAB que sempre se mostraram otimistas e dispostos a fornecer ao Brasil a melhor solução para nossa Força Aérea, apresentando um produto de excelente nível tecnológico. Foi um páreo duro o FX-2, mas nossa equipe torceu para que a escolha recaísse sobre o Gripen NG ou o francês Rafale por apresentarem-se como plataformas extremamentes modernas e com atraentes propostas para nossa indústria e desenvolvimento tecnológico.
GBN GeoPolítica Brasil